19 de novembro de 2014

ENFIM SÓS

Ela virá
Iluminando a madrugada

Aurora boreal
Mar de quilobytes

Ela virá
Jamais ambígua

Muitas virão
Cheias de si
Porém etéreas

Ela virá
A cada instante prometida

Juntos nós caminharemos
Na infohighway


Manoel Olavo

16 de novembro de 2014

PANORAMA DO MAR



A nau -
Debaixo dela
Um mar de
Rochedos e rotas

Ondas
Do mar:
Um cristal
Que se rasga

A mão
Inclinada
Fende a
Superfície

Sulco
De ar
Separando
As águas

O mar
É isso:
Um cavo grito
Dizendo volta

Plantar em ti,
Bússola frágil,
O tempo, a morte,
A face do possível.


Manoel Olavo

24 de setembro de 2014

ASSIM SOMOS NÓS

A linha
Indivisível opera
Entre a decisão do nome
E a noite escura lá fora

Prepara frases
Reúne fragmentos
Salva palavras caídas
No precipício

Tesouro imperfeito:
Meu esforço é a
Sua lenta espera

Atenta ela vem
E se apodera
De quem a invoca

A musa em milhões de sóis
                            [imaginada

Assim somos nós
Filhos do mar
Da água e do sal
Presos num deserto
Em busca de poesia

Comensais da palavra
Buscando a loucura
Das sensações


Manoel Olavo

29 de agosto de 2014

JUNTO AO MAR


Nenhum sentido completa
A trajetória iniciada junto
À minha fonte, imagem
Congelada, onda de
Metal, lembrança todo
Dia retorcida. Nenhum
Caminho justifica este
Esforço de Sísifo, nem
A tangível imagem à
Meia-altura, vontade
De algum dia obtê-la,
Ela que, longe, se oculta,
E leva a uma nova viagem
No mar que se abre em
Frente e, em seguida,
Apaga cada pegada num
Golpe de areia e de água.


Manoel Olavo

1 de agosto de 2014

ODE EM FASES



Poesia, eu te sabia
Flor, dor ou até fezes.
Agora eu sei: és fases.
Falar de ti, quem deve?

Amor perdido, corpo
Nu, vã filosofia:
São só modos de usar.
Por que serão poesia?

Por isso eu te segui
Mas estavas na frente
Véu de palavra dada
Céu de pássaro ausente.

Não te conduz a rosa
Tampouco o fingimento.
A mais bela nasceu
Do meu esquecimento.

Manoel Olavo

30 de julho de 2014

DORME AMADA



Dorme, amada
É cedo ainda
Seus olhos devem repousar

Meus olhos semicerrados vêem
A luz se derramando na sua pele

Dorme, amada
Pois zombamos
De que algo nos desfaça

Pensos no céu
Aves azuis, nós dois
(um único ser
 indiviso e ímpar)
Rodamos e seguimos juntos
Dentro da manhã que rompe a treva

Manoel Olavo


22 de julho de 2014

NUM DIA DE OUTONO


Todos os dias de outono parecem iguais
Com seu friozinho agradável, árvores despidas e o céu azul
                                                                       [de poucas nuvens
Todas as noites de outono parecem iguais
Com suas bátegas passageiras e o silêncio da escuridão profunda

Nos dias claros de outono a cidade fica engalanada de folhas mortas
E a limpeza urbana deixa muito a desejar

Nos dias tristes de outono a natureza continua o seu intento
E eu me sinto igual à circundante natureza morta

Nos dias turvos de outono a duração das coisas é lenta
Bem mais do que parece possível suportar

Nos dias de outono os batimentos descompassados do coração
Parecem ensaiar um novo começo de tudo

Num dia de outono, seco e claro, igual a tantos outros,
Eu pude enfim me libertar da aspereza de um amor que inexistia


Manoel Olavo

20 de julho de 2014

SINAIS



ESPERE OS SINAIS

      SÃO SEUS SÓIS

OBJETOS CINTILANTES

      SOBRE NÓS


Manoel Olavo

19 de julho de 2014

RITUAL

Todo dia se encontram.
São como colegiais
Treinando ritos secretos.
Dentro da sala procuram
Seus reflexos no espelho.
Não se vê cor nem ideia.
Pálidas faces sem dor
No assombro da plateia.
Sobreviventes orbitam
Seu vazio em desespero.
Eu os deixo sem pesar.
(Antes solidão que nada)
Parto atrás da estrela tíbia
Da que imergiu lá no céu
No ar, leve, além de mim
Sem luz, porém cintilando.

Manoel Olavo

PAPÉIS



Junto folhas esparsas sobre a mesa e nelas estão rabiscos, versos incompletos, jogos de palavras. Alguns são belos, outros incompreensíveis. São pedidos de amor em língua desconhecida. Parecem descosidos, uma alma em pedaços tentando se agrupar.  Reúno os papéis num só maço, alinho-os e penso que cada um deles, isoladamente, é uma parte não rimada de mim. Insisto na harmonia. Malfadado pelo tempo, algo em mim espera e quer acreditar.  A cada dia, aparece algum lugar inabitado, algum sentimento inaudito, e esta esperança pode se mostrar menos irracional. Muitas vezes, são meses sem sequer olhar para o céu. Porém, a cada nova impressão de luz desvelada, é como se voltasse o mar pela primeira vez. Como se eu pudesse erguer castelos indestrutíveis na areia. Hoje sei que a vida é fugaz e cerimoniosamente conto os meus mortos. Também sou feito deles. Não os lamento. Resisto. Sou feito daquilo que me funda e também do que me finda.

Manoel Olavo

16 de julho de 2014

OUTRA DIMENSÃO

É a antiga casa, intacta,
Longe deste gigantesco mar de prédios.
Eu abro sem pensar o portão de ferro,
Rangendo o passado, atravesso
O jardim cheio de sombras,
Cercado por paredes descascadas.
Lentamente, vou para o outro lado
E subo pela escada ao primeiro andar.
Vejo o meu antigo quarto:
A nau do medo no fim do corredor.
A cabeceira, a cama,
Os papéis amontoados,
O mormaço entrando pela janela,
O ar que não toca as coisas humanas
E tudo é azul e branco e ouro
E infinitas sombras arredias.
(Não é a mesma dimensão
Onde o perdigueiro brincava comigo)
Há um precipício ali, mas eu não sabia.
Há uma grande dor, nem tão mortal
Quanto a que virá mais tarde;
E o peso da sua mão impiedosa.
Um dia eu quis ser de pedra
E me esconder da vida.
Conhecendo o enredo até o final,
O olho da cena antevê o seu martírio.
E quanto a mim: sobreviverei
A tamanho cataclismo?
Na velha casa de tijolos sombrios,
Como posso me abrigar dos seus destroços?

Manoel Olavo

11 de julho de 2014

MEMÓRIA



Pra cada ídolo morto
Pra cada rei deposto
Pra cada amor perdido

Surge um vento na
Forma de palavra

Porém
Na fria iluminura
Da memória escrita
É impossível contar
Aquilo que aconteceu


Manoel Olavo

9 de abril de 2014

SEU NOME

Nesse temporal
Seu nome é diagrama.

É um pó de letras
Na inundação.

Eu não vou dizê-lo.
Não quero trazer

Seu nome secreto
De volta dos escombros.

Mas são partículas
Sílabas fonemas

Rimas de amor
Cercando o cais destroçado

O que restou de um
Naufrágio de avessos.

A água (se um dia evaporar-se)
Deixará seu nome mineral

Em insolentes camadas;
Finalmente, feito pedra.

Manoel Olavo

4 de abril de 2014

EU OLHAVA MAS NÃO VIA


          I

Eu olhava
      Mas não via

      Esse punhal
      Essa dissipação

A interseção na ordem geral das coisas
       A repetição de ciclos
                   No movimento dos dias

A máquina
A ferrugem
Seu pó e suor

Eu olhava
      Mas não via

           II

Antes não havia
    Essa colisão na margem do crepúsculo
             Esse corpo infestado de cristais

Angélicos vagabundos voando sobre as palafitas
     
      A decomposição
             Na moenda dos dias

         A carne do rio
               A pedra

Sua mão pequena me tocando em feéricas faíscas
       
         A circunvolução
                 O inseto cravado na casca
                           O dente cravado na boca

O tempo perante o qual se curvam a solidão e o sangue
O silêncio no qual se dissipa um resto de mim por toda parte

                   Esse ermo
                        Em forma de palavra

Manoel Olavo

1 de abril de 2014

EROS


O poeta teme
Ferir sua musa
Se tirar-lhe a blusa
E tocar-lhe a pele.

Musas: o que são?
São simples apostas
De amor, ou promessas.
Mas tu? És derrisão,

Risco, sobressalto.
És o que margeia
O topo da ideia
E toma de assalto.

Mais do que beleza
Tu és quem avança
Onde nada passa
E arrasa a certeza.

Helena: hei de vê-la
Nua. E afinal despida
(De corpo, alma e vida)
Amar-te, alva estrela.

Manoel Olavo

28 de março de 2014

VENTO ELÍSIO


Lento e minucioso meu sopro caminha
Por seu corpo nu pele branca à mostra
Eu, Elísio, vento soprando na fresta
Inspeciono cada ponto oculto, toco
Cada vale, gomo, relevo, rego
E cada impressão deste contato
Gravada de modo geométrico
Permanece comigo na memória
Da passagem do corpo pelo vento.
Pra sobreviver, o sopro vira verbo
O esboço visual vira palavra.
Por isso não desprezo o verso,
Seu esforço evocativo. De fato,
Louvo este exercício de som
E sentido, sintaxe da permanência,
Capaz de despi-la plena puta nua
Desatinada inteira ao meu comando
Arte e efeito de tentar mantê-la
Sob meu domínio, embora comigo
Não esteja, nem ao menos consinta.

ENVOI
Lento e minucioso meu sopro caminha
Por seu corpo nu pele branca à mostra
Não ouso abandoná-la à própria sorte
Antes perdê-la ao verso que à morte.


Manoel Olavo

14 de janeiro de 2014

NÓS, OS QUE VIEMOS ANTES



Ainda as estrelas não estavam à venda
Não eram tantos os gadgets indispensáveis
Não havia tanta sofreguidão

A vida não chegava pela internet

A destruição de um país
O salário de fome
O imperialismo
O processo cruel de acumulação de capital
Pareciam imorais

Acreditávamos numa aurora
De justiça e igualdade

Ninguém que valesse à pena
Contava vantagem
Por ter dinheiro

Havia algo mais essencial
Tínhamos um pacto
Uma ânsia por verdade
E valores coletivos

Antes de tudo
Era preciso sonhar

Era preciso saber
De Pixinguinha e
Vinicius de Moraes

Era preciso beber
Até o raiar do dia

Era preciso ouvir
Chico Buarque
Saber um verso
Do Neruda de cor

Era preciso amar
A mística da
Revolução cubana

Era risível alguém
Querer se destacar
Pelas roupas de grife

Decerto todos nós
Sabíamos que a
Felicidade não vinha
Do consumo material

Um rapaz confiável
Não pensava ganhar
Seu primeiro milhão
Antes dos trinta

Um rapaz confiável
Lia o pasquim
No sol do posto 9

E fumava maconha
Pensando em utópicas
Transformações

Éramos erradios
Amávamos como quem
Divide o próprio pão

A burrice
E os preconceitos do senso comum
Eram reprováveis

Melhor calar-se
Do que soar estúpido
Ou reacionário

Imperdoável
Era sair da praia
Antes do pôr-do-sol

Imperdoável
Era se recusar
A compreender

Estranhamente
Éramos assim
Nós, os que viemos antes


Manoel Olavo

5 de janeiro de 2014

FALTA

Meu amor acende
E se inflama no seu
Flanco. Aos trancos
E barrancos, conto
O tempo. Crispado
De sóis, me espanto.

É dócil o silêncio
Do amor destruído
Quando adia o lento
Ritmo da morte.
Amor: em seu nome
Tenho a minha falta.

Manoel Olavo

1 de janeiro de 2014

FOTO SÉPIA

 
       I

Bom dia
Ele disse
À gente
Morta
Na foto
Sépia

      II

Era a
Foto do
Tempo
Em que
Não se
Escolhia

     III

Tempo
Em que
Ele ria
Numa
Foto
Sépia

    IV

Bom dia
Ele disse
À vida
Esvaída
Na foto
Sépia

     V

Vida
Que de
Vez em
Quando
Ainda
Doía


Manoel Olavo

VEM COMIGO IRMÃO DE SONHOS

Vem comigo, irmão de sonhos, A serenidade não nos serve. Juntos, subiremos no penhasco Decifraremos velhos mapas, Sentiremos fo...