11 de julho de 2014

MEMÓRIA



Pra cada ídolo morto
Pra cada rei deposto
Pra cada amor perdido

Surge um vento na
Forma de palavra

Porém
Na fria iluminura
Da memória escrita
É impossível contar
Aquilo que aconteceu


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...