11 de julho de 2014

MEMÓRIA



Pra cada ídolo morto
Pra cada rei deposto
Pra cada amor perdido

Surge um vento na
Forma de palavra

Porém
Na fria iluminura
Da memória escrita
É impossível contar
Aquilo que aconteceu


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feixes do raio De luz no vidro Encantado Única Maneira de ver A paixão secreta Atrás do silêncio dela Pele Pele clara ar...