30 de julho de 2014

DORME AMADA



Dorme, amada
É cedo ainda
Seus olhos devem repousar

Meus olhos semicerrados vêem
A luz se derramando na sua pele

Dorme, amada
Pois zombamos
De que algo nos desfaça

Pensos no céu
Aves azuis, nós dois
(um único ser
 indiviso e ímpar)
Rodamos e seguimos juntos
Dentro da manhã que rompe a treva

Manoel Olavo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...