30 de dezembro de 2011

BAÍA


 
Por um segundo
Tudo parece em seu lugar
Nas águas da baía de Guanabara

Por um segundo
Tudo parece reluzente e calmo
Notas brandindo na boca do silêncio

Barcos homens
O curso indiferente
Das águas me contagia

Por um segundo
A dor parece mais
Leve do que o ar

Manoel Olavo

13 de dezembro de 2011

AS COISAS


As coisas que eu vou dizer
Irão voltar, não importa
Como um antigo querer
De passagem, bate à porta

As coisas ditas por mim
São como espelhos: quebráveis
Esboços antes do fim
Começos intermináveis

As coisas que eu vou dizer
Noves fora o seu lamento
Ajudam-me a percorrer
A metáfora do tempo

As coisas ditas por mim
São altas ilhas remotas
De mares que contravim
Num barco de velas rotas

As coisas que eu vou dizer
Nascem com força tamanha
Que fazem alvorecer
Na violência do drama

As coisas ditas por mim
Sumário de língua morta
Silenciaram enfim
- Palavras rondando a porta

Manoel Olavo

NO AVESSO


         I

No avesso
A voz do
Fosso grita

Sob o
Calcário
Da estrada

O talho
Da lâmina
Sangra

Seu fio
De morte
Branca

Limo
No rastro
Da pedra

Enredo
Do fim
Da revoada


         II


No avesso
O talho
Da lâmina

Sangra
Seu fio
De morte

Branca
A voz do
Fosso grita

Limo
No rastro
Da estrada

Enredo
Sob o
Calcário

Na pedra
O fim
Da revoada


         III


No avesso
Vê-se o
Detalhe


Manoel Olavo

11 de dezembro de 2011

FORMA



Há uma forma aqui
Ela me constrange

Não é fácil vê-la
Entre cores claras

Qualidade rara
Da luz repartida

Marca vertical
Na chuva de orvalho

Sua textura, breve
Água, se acomoda

Uma a uma, em gotas
Sobre a superfície

Não a enlaçarei
Sem que ela deseje

Nem a amarei
Antes que me leve


Manoel Olavo

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...