26 de dezembro de 2013

A MENINA DANÇA



A menina dança
Ela me encanta
Quando rodopia
No meio da cena

Nenhum aparato
Consegue detê-la
De seus olhos vem
Lágrimas de circo

Primeiro ela gira
Sobre meu alpendre
Aos poucos atinge
Outro patamar

Sobe à claraboia
Faz um ziguezague
Entre o meio-dia
E o final da tarde

Mas logo se cansa
De dançar assim
Resolve ser fora
De si; na avenida

D´avenir se perde
Vagueia sem hora
Maja seminua
Joelho de miss

De noite e de dia
A menina dança
Pode ser minha
Mas nunca se sabe

Manoel Olavo

6 de dezembro de 2013

SIMETRIA DO ALUVIÃO


Clareira
Da mata
Na manhã
Desperta

Choveu forte
Toda a noite

Das copas
Encharcadas
Gotas ainda
Caem

O visgo grosso
Da água
Pende
Da folha
Que se dobra
E desce
Até o chão

A terra
Chupa
O que o mato poreja

O caracol
Escala
A ebúrnea pedra
Nela deixa
Rastro
E desce
Até o chão

Formigas
Formam bola
Vermelha
De milhares
Em cima
D água

O besouro
Rola lama
Vira bosta
O besouro fede

A folha morta
Também fede
Cheiro de marrom
Decomposto

No meio da mata
Água de chuva
Forma um regato

As folhas mortas caem
No leito
Que leva
Planta podre
Água turva
Formiga
Graveto
Seixo

O sujo do mato
Deposita-se
No chão

O galho
Morto
Fica preto
Esfarela-se
Na terra

A água
Sorve sal
Da pedra
Que lenta
Se dissolve

A folha
Vira lodo
E grão
De modo sólido
Se inscreve

O ataúde
Da mata
Rumina
Restos úmidos
Cobre-os de terra

Do oco do pau
Que ali derrete
Vem o podre
Vem o vivo
Que se adensa
Na lama
Que escorre
Ao rés
Do chão

No podre
Pulula
A vida

Medida
Simétrica
Do aluvião

Manoel Olavo

4 de dezembro de 2013

ASSIM TODA LOUCURA

Assim toda loucura fica proibida
Toda paixão fica controlada
Toda ilusão será perdida
E os deslizes serão relatados
A quem possa deter os descontentes
Assim todo dia há de ser brando
Serenamente pouco a pouco
Cada coisa em seu lugar um dia por vez
Assim viveremos em paz livres de excessos
Livres da vertigem de altura num tal cansaço
De existir que não surpreende descobrir que
Os sonhos estão suspensos até segunda ordem

Manoel Olavo


VEM COMIGO IRMÃO DE SONHOS

Vem comigo, irmão de sonhos, A serenidade não nos serve. Juntos, subiremos no penhasco Decifraremos velhos mapas, Sentiremos fo...