30 de julho de 2014

DORME AMADA



Dorme, amada
É cedo ainda
Seus olhos devem repousar

Meus olhos semicerrados vêem
A luz se derramando na sua pele

Dorme, amada
Pois zombamos
De que algo nos desfaça

Pensos no céu
Aves azuis, nós dois
(um único ser
 indiviso e ímpar)
Rodamos e seguimos juntos
Dentro da manhã que rompe a treva

Manoel Olavo


22 de julho de 2014

NUM DIA DE OUTONO


Todos os dias de outono parecem iguais
Com seu friozinho agradável, árvores despidas e o céu azul
                                                                       [de poucas nuvens
Todas as noites de outono parecem iguais
Com suas bátegas passageiras e o silêncio da escuridão profunda

Nos dias claros de outono a cidade fica engalanada de folhas mortas
E a limpeza urbana deixa muito a desejar

Nos dias tristes de outono a natureza continua o seu intento
E eu me sinto igual à circundante natureza morta

Nos dias turvos de outono a duração das coisas é lenta
Bem mais do que parece possível suportar

Nos dias de outono os batimentos descompassados do coração
Parecem ensaiar um novo começo de tudo

Num dia de outono, seco e claro, igual a tantos outros,
Eu pude enfim me libertar da aspereza de um amor que inexistia


Manoel Olavo

20 de julho de 2014

SINAIS



ESPERE OS SINAIS

      SÃO SEUS SÓIS

OBJETOS CINTILANTES

      SOBRE NÓS


Manoel Olavo

19 de julho de 2014

RITUAL

Todo dia se encontram.
São como colegiais
Treinando ritos secretos.
Dentro da sala procuram
Seus reflexos no espelho.
Não se vê cor nem ideia.
Pálidas faces sem dor
No assombro da plateia.
Sobreviventes orbitam
Seu vazio em desespero.
Eu os deixo sem pesar.
(Antes solidão que nada)
Parto atrás da estrela tíbia
Da que imergiu lá no céu
No ar, leve, além de mim
Sem luz, porém cintilando.

Manoel Olavo

PAPÉIS



Junto folhas esparsas sobre a mesa e nelas estão rabiscos, versos incompletos, jogos de palavras. Alguns são belos, outros incompreensíveis. São pedidos de amor em língua desconhecida. Parecem descosidos, uma alma em pedaços tentando se agrupar.  Reúno os papéis num só maço, alinho-os e penso que cada um deles, isoladamente, é uma parte não rimada de mim. Insisto na harmonia. Malfadado pelo tempo, algo em mim espera e quer acreditar.  A cada dia, aparece algum lugar inabitado, algum sentimento inaudito, e esta esperança pode se mostrar menos irracional. Muitas vezes, são meses sem sequer olhar para o céu. Porém, a cada nova impressão de luz desvelada, é como se voltasse o mar pela primeira vez. Como se eu pudesse erguer castelos indestrutíveis na areia. Hoje sei que a vida é fugaz e cerimoniosamente conto os meus mortos. Também sou feito deles. Não os lamento. Resisto. Sou feito daquilo que me funda e também do que me finda.

Manoel Olavo

16 de julho de 2014

OUTRA DIMENSÃO

É a antiga casa, intacta,
Longe deste gigantesco mar de prédios.
Eu abro sem pensar o portão de ferro,
Rangendo o passado, atravesso
O jardim cheio de sombras,
Cercado por paredes descascadas.
Lentamente, vou para o outro lado
E subo pela escada ao primeiro andar.
Vejo o meu antigo quarto:
A nau do medo no fim do corredor.
A cabeceira, a cama,
Os papéis amontoados,
O mormaço entrando pela janela,
O ar que não toca as coisas humanas
E tudo é azul e branco e ouro
E infinitas sombras arredias.
(Não é a mesma dimensão
Onde o perdigueiro brincava comigo)
Há um precipício ali, mas eu não sabia.
Há uma grande dor, nem tão mortal
Quanto a que virá mais tarde;
E o peso da sua mão impiedosa.
Um dia eu quis ser de pedra
E me esconder da vida.
Conhecendo o enredo até o final,
O olho da cena antevê o seu martírio.
E quanto a mim: sobreviverei
A tamanho cataclismo?
Na velha casa de tijolos sombrios,
Como posso me abrigar dos seus destroços?

Manoel Olavo

11 de julho de 2014

MEMÓRIA



Pra cada ídolo morto
Pra cada rei deposto
Pra cada amor perdido

Surge um vento na
Forma de palavra

Porém
Na fria iluminura
Da memória escrita
É impossível contar
Aquilo que aconteceu


Manoel Olavo

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...