10 de abril de 2011

SONETO DA METRÓPOLE GLOBALIZADA


Cidade flamejante, rua ardente.
Tribos atrás da oferta inesgotável
De obter um simulacro razoável
De vida, neste lodaçal de gente.

Tudo é som, cor, contatos visuais
Precários. Tudo se vende ou se aluga.
A globalização promove a fuga
Desses novos atores sociais:

Catadores de lixo, marginais,
Muambeiros nas calçadas, pivetes
Falando inglês, garotas da internet,

Milícias, michês de corpo sarado...
São os restos gerando capitais
Na cidade sob a lei do mercado.

Manoel Olavo

Um comentário:

MARAVILHAS

Antes de morrer Rejuvenesça! Inato, ligeiro Seja sempre seu O primeiro sonho O último grito O imprevisto fato. A capa de cristal Par...