13 de dezembro de 2010

VENTO



Como um vento
A roçar de leve
Ouço teu nome
Me dizer assombros

Como um sinal
Um súbito raiar
De claro-escuro

O espanto de
Se ver lá fora
Que é de manhã

Estive demais
Em tudo, saltei
No coração das coisas

Agora é silêncio
Outono de amor
E espelhos quebrados

O resto é luz, fendas
Cansaço de viver
E uma imensa
Obscuridade
Branca


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MARAVILHAS

Antes de morrer Rejuvenesça! Inato, ligeiro Seja sempre seu O primeiro sonho O último grito O imprevisto fato. A capa de cristal Par...