9 de dezembro de 2010

NÃO SOU, HELENA, UM LEGÍTIMO PASTOR

Eu não sou, Helena, um legítimo pastor
De tanger ovelhas e enfrentar tempestades.

É teu esse pastoreio e a beleza amena
De dares relva a um rebanho dependente.

Eu cá vivo, Helena, numa cidade imensa
E fiz minha Arcádia com mitos e palavras.

Porém sei que és real e tens o dom das musas.
A queda no abismo. O coro da vida. A fúria.

Pastora, és sangue derramado sobre a flor.
Eu faço minha parte, amando-te em silêncio.

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...