3 de junho de 2010

EMBORA

Seu rosto não é meu

Mas eu relevo. Seu

Corpo não vem

Mas pouco importa.

Embora seus olhos

Não me fitem único,

Os dias não sejam bons,

E você de fato não exista,

Nem eu possa tocar suas

Mãos sob a mesa,

Embora eu nem

Ao menos fale nisso,

Disfarce, cantarole,

Ignore sua ausência,

Embora essa gente nula,

Morna, incompetente,

Embora tudo esteja aqui

E não me baste, embora

O dia não traga a boa

Nova, que seria vê-la,

Eu respiro fundo, me calo,

Relativizo a dor e os fatos,

Pressinto a dádiva

E levo seu olhar adiante.


Manoel Olavo

Um comentário:

  1. Manoel é engraçado...ás vezes uma frase, um verso acaba nos dando um poema inteiro. aquele "há sem dúvida "do teu mural foi minha inspiração para um outro poema "Gosto de saudade" e este seu "embora" está belíssimo! meu carinhoso abraço pra ti

    ResponderExcluir

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...