13 de dezembro de 2009

O AMOR SE FOI

O amor fugiu
Deixou a casa
A rua, o tomo:
O amor sem dono.

O amor perdeu
A cara, o mote
O rito, o teto:
Vai circunspecto.

O amor entrou
Em balancetes
Telas e telões:
Tem suas razões.

O amor está
Em pleno olvido:
Nunca lembrado
Ama exilado.

O amor não sabe
Mas quem o acha
Eriça a pele
Só pensa nele.

O amor requer
Silêncio e muita
Intimidade:
Ser à vontade.

Cativa os ventres
Encharca os rios
No fim de agosto:
O amor dá gosto.

O amor assusta
Pois muita gente
Se mostra frágil
Ao seu contágio.

O amor se foi
Mas sempre volta:
Ao ser chamado
Torna-se alado.

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...