15 de julho de 2011

DEIXA SOPRAR



Deixa soprar
O vento da memória

Eco do que passou

Deixa soprar
O vento da memória

Sem se ligar
Ao seu rumor

A vida prossegue
Fabricando outra

Despedaçada flor

Deixa soprar
O vento da memória

Até que o tempo seque
O sangue que derramou

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...