15 de julho de 2011

DEIXA SOPRAR



Deixa soprar
O vento da memória

Eco do que passou

Deixa soprar
O vento da memória

Sem se ligar
Ao seu rumor

A vida prossegue
Fabricando outra

Despedaçada flor

Deixa soprar
O vento da memória

Até que o tempo seque
O sangue que derramou

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AMOR, TUA VOZ CARREGA O SOM DA ETERNIDADE

No mais belo dos dias Amor, sei que virás Estrela branca e tátil Viajante revelada No rumo do infinito Opala que se mov...