22 de março de 2010

SEDE



Sede, sede: oculto mar
Na superfície das coisas.
Há um turbilhão de mundos
Dentro do mundo que vemos.
Eu vejo o mar. Seu tapete
Verde e luminoso leva
As naus além do horizonte
Atrás de uma ilha ou amor
Que possa haurir a minha sede.

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AMOR, TUA VOZ CARREGA O SOM DA ETERNIDADE

No mais belo dos dias Amor, sei que virás Estrela branca e tátil Viajante revelada No rumo do infinito Opala que se mov...