27 de janeiro de 2010

METAPOEMA III


As coisas
Emitem luz

Ignoram distâncias

Estão no meu jardim
E na
Macedônia

As coisas
São doces
Prestimosas
E votivas

As coisas rentes
Ferem o real
As capturadas
Morrem

As coisas revelam
O pacto entre
O sensual e o divino

As coisas
Todas elas
Carregam
Um pouco
De mim

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...