3 de janeiro de 2010

FONTE

Enfim pôde brotar a água limpa
Da fonte comum que rega nossos corpos

E almas, e afaga-os, e esfrega-os
E liga restos de luz a cores renascidas.

Oh celebrado sentimento de saber-se amado!
Da destruição, nós dois, estamos fartos.

Sabemos bem que obscuros gemidos
Não são suficientes para esquecê-la.

Restou porém uma pedra e uma árvore
E com elas fizeste um universo inteiro.

Restou porém uma vigília constante
E a ânsia de emergir dentre os destroços.

Tu e eu tanto sofremos, braços dados
Com o vazio, vendo partir quem não devia.

Tu e eu rondamos a face do terror
A densidade negra da vida desprezada

Na hora de chumbo em que mais nada ecoa.
(Mas celebrar a perda pode ser retê-la...)

Começar de novo, e sempre, à própria sorte
A jornada em que o fragor nunca é derrotado.

Aprender a rir da vida que é martírio e enlevo.
E, em seu dossel, poder quedar-se aflito

Atrás de alívio pra dor, de novos amores
Imprevistos desejos e acenos de madrugada.

Estranho é pedir amor empunhando letras!
Estranho é querer gritar e guardar no peito.

Estranho é chegar quase morto ao fim do dia.
De onde, afinal, jorra desta fonte o nascedouro?

Não estará entre lençóis macios o breve
Gesto de amor que um dia me negaste?

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MARAVILHAS

Antes de morrer Rejuvenesça! Inato, ligeiro Seja sempre seu O primeiro sonho O último grito O imprevisto fato. A capa de cristal Par...