10 de janeiro de 2010

CEDO OU TARDE




Cedo ou tarde eu procuro o teu abraço
O teu alívio, afago, encantamento...
Tudo o que és me prende e me desfaço
Num toque de mão, em poesia e vento.

Cedo ou tarde, sem ti, eu perco o passo
Emparedado no mesmo momento.
O tempo só flui se passas. Eu faço
Brilhar teu ser como o quinto elemento.

Cedo ou tarde eu volto ao passo parelho
Da estrada de tijolos amarelos.
São teus sapatos, belos e vermelhos

Que eu sigo nesta trilha de farelos.
Como a flor que segue o sol; como um espelho
Perante outro, em infinitos elos.

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...