2 de fevereiro de 2010

RÉQUIEM PARA UM HERÓI


Abaixo da linha do Equador



No assoalho da civilização ocidental



Um herói nascido a fórceps



Funda cidades onde o mar distante se retira



Canta a alvorada celeste



Lança-se no ar



E explode em mil pedaços



Enquanto agradece os aplausos da multidão



Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...