2 de fevereiro de 2010

RÉQUIEM PARA UM HERÓI


Abaixo da linha do Equador



No assoalho da civilização ocidental



Um herói nascido a fórceps



Funda cidades onde o mar distante se retira



Canta a alvorada celeste



Lança-se no ar



E explode em mil pedaços



Enquanto agradece os aplausos da multidão



Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...