10 de maio de 2012

CARTA



Ah, então era aí que você se escondia?
Onde estava seu relevo, sua graça volátil
Seu nome em mutação, seu halo de estrela
No tempo que veio frio e deserto
Quando esperei a aurora sempre adiada
Revirei baús, organizei histórias
Ouvi canções prediletas
Tentei ler mentes, guardar segredos
E veio o vento e tudo foi-se embora...?

Ah, então era aí que você se escondia?
É bom saber disso.
É bom saber que você está aí
Seu olhar vivo e surpreso
Sua faísca, sua inquietação.

Eu, aqui, refém de sonhos profanados
Conto feliz as horas
Que antecipam nosso encontro.

O mar, à nossa frente,
Move as suas ondas.


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...