25 de junho de 2011

CORPO



Corpo
No horizonte
Liquefeito

Corpo
Carne
A percorrer

Que doença
Secreta
Nos consome?

Ou lavra
Tua máquina
De apodrecer?

Fosse
Outra a razão
E eu te libertava

Morto
Tua raiva ferida
No mar em torno

Corpo
Ferrão
Prendendo à vida

Manoel Olavo

Um comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...