21 de junho de 2011

NÃO SÓ NO CÉU



Calado, o homem
Conta moedas
Para poder jantar.

A dona de casa
Imagina uma curra
Enquanto lava meias.

A criança com medo
Chora, esconde-se
Embaixo da mesa.

O velho com câncer
Espera pacientemente
A dose de morfina.

Tudo é ilusão.
No Ártico, esquimós
Sonham com areia.

Deveria haver
Um outro sol
Dentro das coisas.

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...