16 de março de 2011

SOBRE O ABISMO


Em cima da ponte nos equilibrávamos.
Éramos nós dois a adejar no vento.
Abaixo era o rochedo nu e escarpas
Sanguíneas. Do céu uma imensa ave
De rapina nos empurrava. Mas
Lutávamos bravamente. Aquilo que
Sonhávamos ser, o que víamos
Um no outro (não o que éramos)
Haveria de nos salvar.

Manoel Olavo

Um comentário:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...