12 de março de 2011

GAIVOTAS SOBRE O MAR


Os passos vão e vem como gaivotas sobre o mar
A vida passa devagar enquanto a memória vaga.

A melhor das emoções: amar-te – que foi feito dela?
Que fizemos nós da ternura que agora é desencanto?

Por onde fomos quando havia abundante luz e o dia era claro?
Não se trata de chorar, contar os erros, é a natureza finita das coisas.

As emoções no momento certo, a vida que dispensa imitações
O ritmo dos fatos, corpos e sonhos como gaivotas sobre o mar.

A ferida aberta, a dor de estar aqui e de te amar um dia
Ficará em nós como um jardim de cinzas: o baile não pára.

Sequioso de espaço e tempo, eu parto em busca da aurora
De um novo amor, que seja a sombra duma árvore num deserto
                                                                        [seco e impressentido.

Manoel Olavo

3 comentários:

  1. em versos ternos toda a dor do desencanto!Lindo Manoel! meu abraço

    ResponderExcluir
  2. passo a passo
    por entre as gaivotas
    vou caminhando...

    ResponderExcluir

MARAVILHAS

Antes de morrer Rejuvenesça! Inato, ligeiro Seja sempre seu O primeiro sonho O último grito O imprevisto fato. A capa de cristal Par...