25 de julho de 2010

SILÊNCIO

 


Entrar na sala com o vento
Aprendiz do ensinamento

Ser um felino
Evitando brigas

O corpo não age
A voz se cala

Tudo ao seu redor
Se anula

Tudo alheio
No espelho transparente

Despir-se é mais
Do que se libertar

É ser fora de si
Conforme o silêncio vibra

Não importa onde te escondas:
Continuo te buscando

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...