12 de abril de 2012

UMA CANÇÃO DE AMOR




Eu sei que entre nós dois existe gente à beça.

Velhos casos de amor, encontros adiados.

Sonhos de salvação, medos, expectativas.

Desejos comuns se arrastando pelas valas.

E valores diferentes! Sim, nós dois os temos.

Somos produtos sociais de tempos de crise.

Filhos de gente não recomendável, seres fronteiriços. 

O ódio e a ilusão são o alimento farto em nossas vidas,

Na dor de existir e querer gozar em dobro.

Pois haverá choro e ranger de dentes.

Nossa língua falará sem dizer nada,

Sem se mostrar de fato.

Um arqueiro cairá morto sobre a casa.

Os deuses se cobrirão de ouro, com luvas de pelica.

Nós dois seremos despedaçados.

Há uma avenida de corações partidos entre nós

E muita gente feliz vivendo junta.

Há bem mais do que isso, mas a verborragia romântica

Às vezes cansa. E não é lícito comparar paixões,

Odores, climas, mucosas.

Não é lícito forjar mentalidades.

Tantas noites eu saí por aí, 

Se você soubesse, e mendiguei afagos.

Tantas noites eu fui doido, feroz, autoindulgente.

Agora, não, eu canto de madrugada.

E o meu lamento soa no terreiro

Enquanto não brilham as luzes da Broadway.


Manoel Olavo

Um comentário:

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...