14 de outubro de 2012

ENTRELAÇADOS




Milhões de cintilações noturnas levam embora o que ele ia lhe dizer. Ela entende, sacode os cabelos negros. De novo, ele se esquece. Paira no ar a doce sombra herdada, o repouso, a trégua entre os lençóis. Na memória do tempo, eles virão entrelaçados.

Manoel Olavo

Um comentário:

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...