19 de janeiro de 2012

METADE DE MIM

O tempo todo eu
Luto em duas frentes

Metade de mim,
Previdente, teme
O próprio limite

Metade de mim,
Delirante, acende
Sua dinamite

A mesma alma em
Rumos diferentes


 Manoel Olavo

2 comentários:

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...