19 de fevereiro de 2017

VENTO




Como um vento
A roçar de leve
Vem teu nome
Dizer assombros

Como um sinal
Um súbito raiar
De claro-escuro

O espanto de
Ver que lá fora
Já é de manhã

Estive demais
Em tudo, entrei
No coração das coisas

Agora é silêncio
Outono de amor
E espelhos quebrados

O resto é luz, fendas
Cansaço de viver
E uma imensa
Obscuridade
Branca

Manoel Olavo


Nenhum comentário:

Postar um comentário

VEM COMIGO IRMÃO DE SONHOS

Vem comigo, irmão de sonhos, A serenidade não nos serve. Juntos, subiremos no penhasco Decifraremos velhos mapas, Sentiremos fo...