6 de junho de 2017

AS COISAS



As coisas que eu vou dizer
Irão voltar - não importa-
Como um antigo querer
De passagem bate à porta

As coisas ditas por mim
São como espelhos quebráveis
Começos antes do fim
Esboços intermináveis

As coisas que eu vou dizer
Noves fora seu lamento
Me fazem sobreviver
Numa rajada de vento

As coisas ditas por mim
São altas ilhas remotas
De mares que contravim
Num barco de velhas rotas

As coisas que eu vou dizer
Surgem com força tamanha
Que parece alvorecer
Na escuridão do drama

As coisas ditas por mim
Sumário de língua morta
Silenciaram por fim
Palavras rondando a porta


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MARAVILHAS

Antes de morrer Rejuvenesça! Inato, ligeiro Seja sempre seu O primeiro sonho O último grito O imprevisto fato. A capa de cristal Par...