8 de fevereiro de 2017

UM ESPELHO IMERSO EM SUAS ÁGUAS



               I

Assalto do primeiro
Amor, primeiro gosto
De beijo, primeiro gesto
De estremecimento

               II

Minha alma admirada
Consegue ver o sol
Desfocado na retina
Linha interligada

               III

Por que querer-te assim,
Amor, com precisão de
Toques e sentidos? Por que
Sair do mundo das palavras

               IV

E percorrer saliências
Medidas sulcos sibilas
Onde tudo é corpo
E nada é acontecimento?

                V

Contigo desperto e alcanço
Palavras que a língua não enlaça
Aliança de iguais e de contrários
Um espelho imerso em suas águas


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...