29 de junho de 2016

ESTRANGEIRO

O sol cobriu os edifícios
Do céu caíram cor e cinza
O trânsito afinal andou
Tomaram o rumo de casa
Após anos de peregrinação
Sem pressa, por léguas a fio
Conforme manda a civilização

Eles cruzaram pórticos de vidro
Vestígio de grilhões, caos e cidade
Fria utopia de corpos de acrílico
Em trilhas desiguais proliferadas
Alguns lembraram, tarde demais
Do refúgio oculto onde havia
O estrangeiro à cata da palavra

Refém de sua partitura
O estrangeiro ouvia vozes
Óculos de sol, íris invicta
Som que não podia escutar
Preso no engarrafamento
Matéria ativa que o domina
Apesar da mortal ventania

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...