29 de novembro de 2013

PARTIAS



Mal tinha reparado
Partias suavemente
Vida corpo boemia
Seguias hesitante
A alma adolescente
Duro como foste em
Vida, moldando águas
Dissolvendo rochedos
Fera de garras magras
Revirando o terreno
Onde juntavas conchas
Frágeis plumas fósseis
Um pouco mais e virão
As ilhas encobertas
O silêncio invencível do
Mar de vidro sem depois

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...