28 de outubro de 2013

OUTONO


Lembre agora amigo
A primeira você abandonou
A segunda o traiu
A terceira aquele tiroteio
A quarta francamente
A quinta um pacto de morte
E lá se foi você
Aos pedaços
Aos frangalhos
Aos milhares

De noite cintilavam
Pirilampos
E você estava só

Sob um signo luminoso
Você cruzou a estrada
Que já não temia mais
(flechas dardejando
sobre sua cabeça)
Trêmulo você se resignava
Empilhava camadas de sol
Na meia-luz de um
Outono antecipado

Havia sonho
Amigo
Mas era pouco

Pro senso comum
Isso um dia passa
Como o amor acaba


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...