28 de outubro de 2013

INVERNO


Inverno
Na dureza das palavras

Inverno
No breviário das sombras

Inverno
No equilíbrio das somas

Lendo
Os próprios pensamentos

Água
Gotejando da parede

De rocha
Ter silêncio e recolhimento

A morte
No mergulho tátil das trevas

Sem eu
Ser desfeito menos um

A morte
É finalmente estar sozinho

Noite
Fria de completa solidão

v

       i

              b

                    r

                            a

                                    n

                                            d

                                                    o


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AMOR, TUA VOZ CARREGA O SOM DA ETERNIDADE

No mais belo dos dias Amor, sei que virás Estrela branca e tátil Viajante revelada No rumo do infinito Opala que se mov...