21 de maio de 2013

LIBERDADE


A cada dia fica evidente
Que o afastamento foi uma medida necessária,
Capaz de trazer ordem à loucura que nos devorava,
Grudada em nossos pés, em nossos corações,
Em nossa voz,
Sem nos deixar viver em paz,
Nem a sós.
Mas só a distância permite tal frieza analítica.
Hoje as cores dos lençóis estão esvanecendo
E cada movimento que faço
Parece me livrar da sua angústia castradora.
Porém, ainda sinto falta da sua presença
Sussurrando os meus pensamentos de volta
E apontando, caso a caso, a minha incompetência
Diante do cotidiano.
É lento o exercício da volta à liberdade.
Talvez seja impossível.

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...