14 de dezembro de 2012

NO DESESPERO


No desespero
Não sei se ouso
Não sei se uso
Não sei se sonho

No desespero
Não sei se tento
Não sei se dentro
Não sei se fora

No desespero
Não sei se rondo
Não sei se rumo
Não sei se bossa

No desespero
Não sei se espelho
Não sei se inteiro
Não sei se agora


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...