14 de agosto de 2012

FLECHA




Não digam que há escolha
Entre morrer e se petrificar

Já não me basta saber
Da espantosa solidão

De mares que não
Estão na cartografia

Tudo o que fui e serei
Permanece ignorado

Só me resta caminhar
Sobre os escombros

Dançar a beira do abismo
Ultrapassar as alturas

Proibidas; assim posso
Levar meu grito ao vento

Gravar palavras
Num livro desconhecido

Sonhar ser senhor
Da minha criatura

Limite de toda poesia
Flecha na minha carne


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...