10 de julho de 2012

ESPELHOS



Vi em teu olhar
O mesmo brilho.
Fagulha de amor,
Faísca, fato adiado.
Chamar-te, hoje,
Amor!, dá nome
Às coisas. Faz-te
Real como eu sabia,
Pois moravas em mim, 
Meu saber secreto, 
Desvão da minha alma.
Estavas sobre a cama solta,
Nas entranhas da dor,
No tempo que passei
Te esperando.
Eras o andar de sonho,
Sopro de luz nas palavras.
Estavas aqui, Amor.
Éramos um. Espelhos.

Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feixes do raio De luz no vidro Encantado Única Maneira de ver A paixão secreta Atrás do silêncio dela Pele Pele clara ar...