15 de janeiro de 2011

DESTINADOS


Fúria na alma
Seu corpo nu
Me pesa e arfa

Sou só boca
Reentrâncias
De nuca pele
Coxa e seio

O membro
Roçando as
Siderais alturas

Do gozo
(Frente e verso)
Sobre mar revolto

Você, égua da noite
Em mim montada
- Úmida de cio

Dois corpos
Contidos
Um no outro

Como destinados


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...