8 de agosto de 2010

POETA

Poeta é o pouco
Que resta
Do que lemos

Poeta é perdigoto
De outras vozes
É quase outro

É pele, pétala,
Peçonha no
Osso das coisas

Poeta é poço sem
Fundo, sede de aedo

Lambendo a palavra:
Não a que sonhamos,
Mas a que dá medo.

Poeta é quem morre cedo

Manoel Olavo

3 comentários:

  1. Que presente divino correr os olhos nesta obra tão bela. adoro vc e muita saudade, sua fã de carterinha,beijossssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  2. Bela definição poética do que é ser poeta.

    ResponderExcluir

AMOR, TUA VOZ CARREGA O SOM DA ETERNIDADE

No mais belo dos dias Amor, sei que virás Estrela branca e tátil Viajante revelada No rumo do infinito Opala que se mov...