12 de novembro de 2016

POR MARES NUNCA DANTES NAVEGADOS




Assim, enquanto o mar oscila sob a luz cintilante,
Permanecemos a postos para promover o combate
Das palavras – a perpétua necessidade de contar,
De modo renovado, histórias de fundadores que,
Com seu engenho e arte, delimitaram os muros da
Nossa aldeia. Nada se perdeu, nem quando bárbaros
Nos acossaram. É clara a nossa lusa cartografia.
Contudo, podemos expandir os limites do reino
Criado por aqueles que chegaram antes de nós,
(Homens que nos legaram o que podiam nomear)
E hoje singrar por mares nunca dantes navegados.

Manoel Olavo

2 comentários:

POEMA DO RAIO DE LUZ

Um poema Feito de feixes De raio de luz No vidro encantado Única Maneira de ver A paixão silenciosa Atrás do segredo dela Pele Pe...