24 de julho de 2015

POMBO


O pombo
voa na
chuva fria

Sua asa toca a
janela de vidro
faz um ruído

vivo, o pombo
me convoca
à chuva fria

mito todo
poderoso, ave
a meu dispor

absorto nas
penas de um
único poema


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

MARAVILHAS

Antes de morrer Rejuvenesça! Inato, ligeiro Seja sempre seu O primeiro sonho O último grito O imprevisto fato. A capa de cristal Par...