25 de dezembro de 2016

FALA


O sopro da fala é súbito
Golpe de vento no acaso

Derruba todos que tentam
Capturá-lo, depois escapa

Ninguém sabe porque
Se dá o som ou a fúria

Ninguém sabe deter
O jogo atrás da cena

O homem é frágil fala
Perseguindo a coisa


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...