23 de junho de 2013

POR TI


Por ti cruzei paredes de cristal

Juntei o tempo no instante

Por ti vi mitos desiguais

Dividi as águas

Nossa carne

O mesmo mapa

Por ti tudo canta

Suave som

De passagem

E abandono

Vida raiz dádiva

Por ti é noite em nós

Nós feitos dela

Eu, único em ti,

Caio a teus pés

E digo: sou o punhal

Teu deus capturado


Manoel Olavo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

UM POEMA DE AMOR

São bocas e olhos e auras e gotas E pernas entrelaçadas Fluente transbordante Minha alma brilha Nesta nova cor que vem da tua ...